A nova política

Recomendações do editor a parte, é aniversário de Itapetininga e há necessidade de comemorarmos juntos, independente do resultado da eleição de amanhã (sim, escrevo na véspera da eleição e, embora torça e não esconda meu voto, não sei o resultado). De qualquer forma, tomei alguns cuidados.


O primeiro foi reler os artigos anteriores sobre esta data, evitando ser repetitivo. Sem Peixotão, Praça dos Amores e outros desta vez. E sem repetir Byron com aquilo que desejo para a cidade. Quem se interessar peça ao Fábio as edições anteriores, embora raras devido à procura (não pelos textos, mas pela revista em si, que melhora mês a mês).
Em segundo lugar, ainda pensando na eleição, me obrigarei a ser apartidário, ainda que extremamente difícil na data de hoje. E também porque não tenho a mínima vocação para político, somada às ameaças de vida no ambiente doméstico caso me torne um. Mas não dá para não falar em política no dia de hoje....


No entanto, tenho preocupações políticas (num sentido mais amplo) com a cidade que escolhi e tive a honra de ser homenageado com o título de cidadão. E penso que os políticos, aqueles que escolheram assim serem, deveriam basicamente almejar e honrar aquele título que um dia receberão quando virarem nome de rua: probo cidadão (é muito melhor do que ex qualquer coisa). É o básico, é o fundamental e é o necessário. Se fizerem isto, já basta. Combatam o bom combate de Paulo e apenas isto. O povo será grato e reconhecerá valores pessoais sem toda esta palhaçada midiática e às expensas do dinheiro público.


Ele, o dinheiro público, tem seu destino certo: retribuir com bens e serviços aquele que arrecada, pois todos pagam, ricos ou pobres, já que tudo o que se compra, o que se vende e o que se serve, tem seu imposto embutido.
Sem assistencialismo barato ou midiático, é só que peço. Como cidadão, exijo honestamente e no mínimo o básico: saúde, educação e segurança. E para que fique bem claro não falo da administração atual ou de qualquer uma que já passou. Falo do que quero de agora em diante. Sem qualquer engajamento da minha parte. Quero a teoria da boa política na prática.


Peço que enxerguem a política como pedem a médicos e religiosos o exercício de seus deveres. Como um sacerdócio.
Encerrando, desejo ao bom político, de esquerda ou de direita, que democraticamente nos dê a Itapetininga que merecemos. Um dia recompensaremos com a placa Probo Cidadão.

©2020 desenvolvido por Commark Comunicação e Marketing