Georges Assaf Haddad
Nascido em 1933 em Rebert Kanafar, uma cidade do interior do Líbano. Lá passou a infância com seus pais quando despertou o interesse de vir para o Brasil. E, com 18 anos, embarca em um navio, e aporta em Santos em 1952. Foi acolhido pelo seu tio Elias que residia em Sorocaba. Ficou hospedado em sua casa por alguns anos, trabalhando como vendedor e aprendendo o ofício de comerciante e a língua português-brasileira. E continuava trabalhando como mascate (ambulante) vendendo mercadorias de casa em casa, viajando de trem pelas cidades da região onde também vendia em feiras livres. Em 1960, ainda em Sorocaba, casou-se com sua prima Rosa Haddad. Dessa união nasceram os filhos Seide e Elias. Logo depois adquiriu uma propriedade em Itapetininga (Rua Virgílio de Rezende) e, em 1965, aportava na Terra das Escolas. Aqui nasceu o caçula Michel. Aqui trouxe sua Casa Haddad e até os dias de hoje trabalha com auxílio de seus filhos. Naturalizou-se brasileiro e agora é vovô-coruja de suas netas Julia e Giovana. Sempre com um amigo sorriso e afinidade ímpares.

 

Luiz Gonzaga Noronha Ribeiro
Nascido em Itapetininga em 1943. Aqui fez seus estudos e começou a trabalhar na tenra idade: com 12 anos já batalhava na Feira Livre da cidade vendendo armarinhos. Aos 18 anos foi trabalhar na Usina Vigor - laticínios. Com 21 anos ingressava no Banco do Estado de São Paulo (passou por várias cidades) onde aposentou-se como gerente. Nesse interim casou-se com Da. Vera Lúcia Trevisani Ribeiro. Dessa união nasceram Lídia, Alexandre e Rodrigo e vieram também 5 netos. Em 1989 apostou no comercio e abriu a Loja Royale, com materiais de construção e afins na Rua Silva Jardim e a transferiu para a Rua Saldanha Marinho e está passando a batuta para seu filho Rodrigo, mas costuma aparecer eventualmente para pequenas tarefas. Marcante com sua simpatia e amigável afabilidade.
 

Aristeu Proença de Melo
Nascido em 1948 no Bairro Turvo dos Rodrigues - área rural a 59 km de Itapetininga. Ali viveu sua infância trabalhando na lavoura ajudando seus pais e estudando o curso primário. Quando ele tinha seus 14 anos, sua família muda-se para a cidade. Então Aristeu passou a estudar a noite e, durante o dia, começou a trabalhar como ajudante na Relojoaria Nipon, isso em 1962. Já em 1966 ficou sócio da loja e em 1968 comprava a outra parte da relojoaria, passando então a ser dono. Agora sua loja atende à Rua Fernando Prestes. Destaco um fato muito bonito que ocorreu nessa história: uma moça, de nome Mariza, trabalhava na loja e Aristeu começou a namorar com ela e, em 1973, disseram o 'sim' um para o outro diante de um padre e de um juiz de paz. Desse enlace nasceram dois filhos - Fabrício e Fabiano - e um casal de netos - Manuela e Leonardo. Aristeu completa 57 anos no ramo de relojoeiro e agora está passando o bastão - conhecimentos - para seu filho Fabrício que vem algum 'tempo' trabalhando nessa nobre e 'pontual' profissão.

 

Carlos Feichtenberger Filho
Filho de pais suíços, herdou um açougue – Praça Peixoto Gomide - que seu pai, mestre linguiceiro, montou em 1933 e o transformou em produção de produtos artesanais com defumação natural. Começou a ajudar seu pai desde a tenra idade. Com seus 12 anos já fazia diversas atividades no açougue. Estudou, formou-se professor de Educação Física, lecionou Atletismo no CASI, e continuava a ajudar seu pai. Também formou-se em Contabilidade, mas não exerceu a função. Casou-se com Da. Martha Lotfi e nasceram dois filhos, Rogério, que já está pegando a batuta  da empresa e Leandro. Já nasceram 5 netos. Além de ter aprendido a profissão com o pai, o pai, Carlos fez também vários cursos sobre Defumados e participou em diversos Festivais pelo país afora.

 

João Roberto Moraes
Mais conhecido como Robertinho do Pastel, está comemorando 50 anos trabalhando como pasteleiro em Itapetininga. Solteiro, nasceu na Terra das Escolas em 1943. Aqui estudou, passou sua infância e se orgulha de ser itapetiningano. Como pasteleiro, começou em 1967 com o saudoso Domingos Amadeu que o ensinou a fazer a massa, a montagem e a fritura. Aposentou-se, como pasteleiro, em 2013, mas continua na confecção e entregas em inúmeros domicílios da cidade, atendendo pedidos em sua casa à Rua Higino Rosa. Especialista em pasteis de carne, queijo, palmito e pizza, Robertinho nos contou que o pastel, como hoje conhecemos no Brasil, deriva dos rolinhos-primavera e dos guiozas, ambos da culinária chinesa. Trazidos ao Brasil por imigrantes chineses por volta de 1890, que adaptaram a receita original dos rolinhos-primavera aos ingredientes que tinham. Robertinho começou a trabalhar ainda na tenra idade, aos 8 anos, entregando marmitas para sua avó Judite Oliveira. Na juventude foi trabalhar como gráfico na extinta Gráfica Artística do saudoso Sergio Albuquerque.

Itapetininga, cidade de gente que trabalha e luta para o progresso dessa terra querida.
Escolhi 4 amigos, e em nome deles homenageio a todo esse povo trabalhador itapetiningano

Gente de Itapê

©2018 desenvolvido por Gustavo Matheus