Padre Valdori e sua nobre missão social


Valdori Alexandre Rosa nasceu no vizinho município de Angatuba, em maio de 1979. Antes dos 18 anos, em 1997, deixou um namoro –quase um noivado–, para uma causa muito importante: dedicar-se à Igreja Católica, às suas obras e ao povo.

Padre Valdori recebeu nossa equipe para uma conversa livre, franca e sem nenhuma limitação de temas a serem abordados.


A seguir, os principais trechos da entrevista.


Sobre o seu despertar para a Igreja, o padre comemora. “Essa é a parte da minha vida que sempre me alegra compartilhar com as pessoas. O meu chamado foi pelo Amor que tem um nome: Jesus Cristo. Foi um processo, mas o despertar foi no ano de 1997, quando fiz um retiro espiritual e a partir de então, comecei a servir na Igreja, em grupo de jovens, missas e retiros, tudo em Angatuba, minha terra natal”.

Ele prossegue. “Foi nesse contexto que, diante do Santíssimo Sacramento em oração, ouvi a voz do Senhor me chamando a ser padre! Fiz um discernimento vocacional e ingressei no Seminário de Itapetininga no ano 2000”, conta.

Hoje, acumula uma série de atividades, que incluem ser Pároco da São Paulo Apóstolo, Diretor Espiritual da Fraternidade Discípulos da Mãe de Deus em Itapetininga, Diretor Presidente do Hospital Dr. Léo Orsi Bernardes e, ainda, Exorcista da Diocese de Itapetininga.

Ser diretor do HLOB multiplica sua dedicação, lembrando que já são 2 anos de atividade à frente do hospital, ou seja, nunca ninguém havia sido pensado na possibilidade de uma pandemia...

“Um ano que tivemos que nos adaptar a muitas mudanças, porém com o trabalho em equipe, rapidamente nos organizamos para atender a todos de maneira ágil e técnica. Onde há compromisso com Deus e com o povo não existe tempo para reclamação. É como sempre digo, somos uma casa de alívio para os sofrimentos e estamos comprometidos com esse lema!”.

Sobre a conciliação das atividades paroquiais e do hospital, “em ambas conto com equipes que são formadas por pessoas maravilhosas e sou muito grato por tê-las comigo. Nada se faz sozinho, por isso Deus nos fez irmãos”.

“O trabalho na paróquia exige de mim tempo, dedicação e amor, assim como no hospital, onde há funções com suas particularidades e complexidades, mas ao mesmo tempo comungam da mesma essência: salvar vidas com amor e comprometimento através do serviço!”, esclarece.

- O que o motivou a assumir tão importante e desafiante missão no hospital, perguntamos. “No âmbito da fé foi desígnio de Deus! Através de uma frase de São Camilo de Lelis: 'O que fizermos aos enfermos, faremos a Deus'. Ele não compreendia como as outras pessoas não podiam cuidar dos enfermos como se fossem seus filhos ou irmãos. Também li uma vez: 'o Sacerdote deve ser encontrado em três lugares: no altar celebrando a Santa Missa, no confessionário e na cabeceira dos doentes'. A motivação principal é ver Jesus nos doentes, cuidar deles como se fossem o próprio Cristo”.

Perguntamos se queria falar sobre sua atividade como exorcista. “Claro. Fui nomeado oficialmente pelo meu bispo Dom Gorgônio em setembro de 2019. Basicamente, o Exorcismo é o remédio da Igreja para os casos da ação extraordinária do demônio, como a forma mais grave, a possessão, que requer cuidados de um sacerdote devidamente autorizado e formado para realizar o rito de acordo com as normas estabelecidas pela Igreja. É um ministério de Amor e Compaixão deixado por Nosso Senhor Jesus Cristo”.

Ele prossegue. “Atendo pessoas que sofrem... simplesmente rezo, pois a ação para a libertação é do Espírito Santo! Pertenço, também, à Associação Internacional dos Exorcistas, que promove a primeira formação de base e a sucessiva formação permanente dos exorcistas”.

Sobre a Juventude – “Veja o que a Bíblia diz a respeito dos jovens. Ninguém te despreze por seres jovem. Ao contrário, torna-te modelo para os fiéis, no modo de falar e viver, na caridade, na fé, na castidade”(2Tm 4, 12). Timóteo era um jovem que, à frente de seu tempo, com destemor, anunciava a Palavra do Senhor. Paulo, sabendo de sua coragem, estimulava a pregar vivendo a santidade, pois este é o melhor testemunho de alegria. Hoje, o jovem tem um chamado especial: Evangelizar com toda ousadia de sua juventude, ou seja, sair pelo mundo anunciando a Alegria de ser amado por Deus!”

Ele continua. “Acredito na fidelidade dos jovens desde que tenham referências. Cito um jornalista Inglês G. K. Chesterton: 'Os jovens modernos nunca mudarão o ambiente em que vivem, porque estão sempre mudando de ideias'”.

Padre Valdori é um homem admirável. Carismático. Simples nas conversas e determinado nas ações. Teve Covid – recuperou-se e retomou rapidamente às atividades, com cuidados e atenção. Atendeu à Top da Cidade para esta entrevista exclusiva. Onde resta-nos a gratidão! A ideia partiu de uma leitora, Regiane, que comentou: “falo com toda certeza que ele é um pastor que atrai muitas ovelhas e muitas delas seguem o caminho de Jesus pelo seu ensinamento”.

“Agradeço pelas palavras. Posso dizer que se isso acontece é porque as pessoas encontram Cristo em mim. Sou imensamente grato pelas orações, tempo e amor dedicado nesse período que estive fraco fisicamente, porém tudo isso serviu para me unir ainda mais a Deus”.

“Meus projetos sempre partem desse versículo bíblico: ‘Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas essas coisas vos serão dadas em acréscimo’”. (Mt 6, 33). Como Consagrado estou nas Mãos de Deus. Devo florescer onde Deus me plantou.

“Essa é minha base!”, reforçou.


“Meu papel é humanizar”






©2020 desenvolvido por Commark Comunicação e Marketing