Queremos mais um presente para Itapetininga!

Atualizado: Out 22

O político já era conhecido. Filho de um grande líder, chegou a ser presidente do Estado de São Paulo (cargo equivalente a governador atualmente), tendo realizado uma excepcional administração pública, construindo obras que até hoje enobrecem a paisagem paulistana, entre elas destacando-se os magníficos prédios da Faculdade de Medicina, da estação São Paulo da Estrada de Ferro Sorocabana, do Tribunal de Justiça e do Instituto Biológico, só para citar apenas alguns.


Aproveitou as águas da Represa de Santo Amaro, atual Represa de Guarapiranga, para o abastecimento da capital, resolvendo, por vários anos, o problema de abastecimento de água na cidade de São Paulo. Elaborou os projetos para retificação dos rios Tietê e Pinheiros.


Promoveu a melhoria genérica dos produtos agrícolas de São Paulo, entre eles o café, o milho e a cana de açúcar. Criou a Faculdade de Medicina Veterinária, o Jardim Botânico, o Parque da Água Branca, o Instituto Biológico...


Progressista, apoiou o escritor Monteiro Lobato na procura pelo petróleo no Brasil e inaugurou o serviço telefônico automático na cidade de São Paulo, entre outras muitas modernidades aplicadas pela sua gestão.


Foi um grande incentivador das artes e da educação, participando de muitos encontros culturais e apoiando a Semana de Arte Moderna de 1922. Construiu mais de 1.200 salas de aula, na época, chamadas 'Escolas Isoladas', aumentando em 50% o número de alunos matriculados em escolas estaduais: de 80.000 para 120.000.


Administrou o Estado com seriedade e proficiência e criou o Tribunal de Contas, para que as contas públicas fossem auditadas. Reorganizou o Banespa e o Instituto do Café e exigiu moralidade e eficiência nos gastos públicos. Foi autor da primeira legislação trabalhista no Brasil e conseguiu que fosse promulgado o Código de Processo Civil e Comercial de São Paulo.


Criou o DER – Departamento de Estradas de Rodagem e a primeira rodovia construída em concreto no Brasil, a Via Anchieta. Fez parceria com o presidente Washington Luiz, cujo lema era 'governar é construir estradas' e pavimentou muitas estradas, inclusive a Via Dutra, que liga as capitais de São Paulo e do Rio de Janeiro.


Você, leitor, já deve ter percebido que estamos falando do itapetiningano Julio Prestes de Albuquerque.


Devido ao sucesso como presidente do Estado de São Paulo, Julio Prestes foi indicado como candidato a presidência da República por 17 dos 20 então presidentes de estados e ganhou a eleição com larga margem de vantagem, por mais de 300 mil votos à frente do segundo colocado.

Julio Prestes nos Estados Unidos

Tão logo foi confirmada a sua eleição, Julio Prestes iniciou uma produtiva viagem aos Estados Unidos e à Europa, onde foi recebido com todas as honras de Chefe de Estado, conseguindo o que mais objetivava: o apoio dos principais empresários do mundo decididos a investir no Brasil.





Julio Prestes na França

Mas, antes que voltasse à sua terra natal, foi surpreendido por um golpe perpetrado pelo político populista Getúlio Vargas, que, usando de grandes artimanhas políticas, conseguiu destituir o presidente Washington Luiz, impediu a posse do candidato legitimamente eleito, e implantou uma rígida ditadura, o que afugentou os investidores estrangeiros e deu início a um ciclo populista que durou pelo menos até 1950, fazendo o país atrasar política, econômica e socialmente e impedir o avanço da até então sólida democracia brasileira.


Ocorre que, mesmo diante da virtuosidade administrativa de Washington Luiz e de Julio Prestes, o político populista e depois ditador Getúlio Vargas conseguiu impor uma ordem – que perdura até hoje – a da não colocação do retrato de Julio Prestes na Galeria dos Presidentes do Brasil no Palácio do Planalto.


Assim, a colocação do retrato de Julio Prestes na Galeria marca uma importante correção que se faz necessária para que a História do Brasil seja corretamente contada e porque seria um magnífico e merecido presente que Itapetininga deveria receber por ocasião do seu 250º aniversário.




Na condição de presidente eleito do Brasil, Julio Prestes recebeu o reconhecimento internacional: foi recebido como presidente eleito nos Estados Unidos pelo presidente Herbert Hoover, na França pelo presidente Gaston Doumergue e homenageado em Londres no palacete Rothschild, pelo Príncipe de Gales; foi o primeiro brasileiro a ser capa da revista Time.


por Helio Rubens de Arruda e Miranda












©2020 desenvolvido por Commark Comunicação e Marketing