Taiko

O Taiko foi introduzido no Brasil pelo Professor Yukihisa Oda em 2002. Ele foi enviado pela JICA (Agência de Cooperação Internacional do Japão) para ensinar aos brasileiros como tocar esse instrumento. Inicialmente, essa arte milenar estava restrita à comunidade japonesa. Atualmente, o cenário é outro. Segundo dados da Associação Brasileira de Taiko (ABT) hoje existem no Brasil cerca de 150 grupos, não oficialmente contabilizados, totalizando em torno de 6 mil praticantes, sendo entre 10% e 15% não nikkeis

Em Itapetininga, o Grupo de Taiko Nishindaiko (日進太鼓), a tradução literal é evolução diária, foi criado no ano de 2004 por um grupo de jovens itapetininganos, com apoio da Assoc. C.E de Itapetininga e doação de alguns instrumentos pela Nisshinbo do Brasil. O estilo de tocar o Taiko utilizado é o Wadaiko que se refere aos tambores japoneses e à arte de sua execução.

Composto por 19 integrantes, sendo a maioria jovens. Eles convidam a população para fazer parte do Grupo. No dia 20 de outubro terá entrevista para novos membros. Os interessados poderão ir pessoalmente aos sábados no Kaikan - ACEI - Rua. João Evangelista, 703 - das 15 às 17 hs, que é o período dos ensaios, ou ligar para Ágata no telefone: 15 98133-4760 para agendar horário de entrevista. O único pré-requisito é ter idade superior a 10 anos.

A fascinação pelo Taiko faz com que suas apresentações nas festividades sejam presentes. O Nishindaiko de Itapetininga também está a disposição para alegrar suas festas. Solicita-se agendar com no mínimo 1 mês de antecedência.

 

Sobre o Taiko

A origem do Taiko data-se da Era Joumon e Yagoi há dois mil anos e sua função variou diversas vezes através da história. Eram utilizados como meios de comunicação entre as guerras, serviam para animar os soldados, motivando-os ou marcando o ritmo da marcha. Sendo importante para minar o ânimo dos soldados inimigos dando a sensação de que os atacantes eram numerosos. Hoje ainda existem vilas no Japão onde as horas são anunciadas pelo Taiko, mantendo a tradição milenar. Após a Segunda Guerra Mundial, precisamente em 1951, o Prof. Daihati Oguti inovou o mundo musical introduzindo o Taiko em concertos. Hoje, no Brasil, é comum a mistura dos ritmos do taiko e do samba trazendo um novo ritmo.

A cultura preza a manutenção da tradição, seus valores culturais e morais, reconfirma a vitalidade e o grito conjunto serve para o estímulo mútuo, aplicando a filosofia do “viver melhor socialmente”. Assim, para os praticantes do Taiko, a sua conduta disciplinar, social e moral são fatores fundamentais para o companheirismo e crescimento em equipe.

   Os percursionistas do Taiko devem ter como lema de vida:

• desenvolver um corpo vigoroso, sadio, a coragem, a determinação e o espírito inabalável;

• implantar o sentimento que preza o respeito ao próximo e a filosofia de humildade e eficácia;

• adquirir o respeito aos mais velhos, cooperação mútua, amizade, responsabilidade, união e cultivar o caráter e a dignidade;

• aprender a arte milenar japonesa do Taiko e herdar o valor deste folclore, cultivá-lo, preservá-lo e propagá-lo.

©2020 desenvolvido por Commark Comunicação e Marketing